Seja bem vindo!

Aqui você vai poder ver, comentar, discutir, sobre vários assuntos, e é claro, de maneira saudável. Espero poder passar claramente diferentes idéias e pensamentos e que destes você possa concluir seus próprios conceitos. Boa leitura e volte sempre!

Páginas

NÃO SÃO AS RESPOSTAS QUE MOVEM O MUNDO E SIM AS PERGUNTAS!

domingo, 4 de novembro de 2012

Céu Nubloso

É engraçado como um final de semana nublado caminhado para casa na companhia de uma brisa gelada pode trazer-nos resquícios de nossos pensamentos sendo capaz de trazer a tona emoções mil afogadas em um sentimentalismo bobo. Talvez seja porque com o dia nublado temos maior facilidade de abrir os olhos e olhar a nossa volta, talvez porque em dias frios buscamos aquilo que nos aquece e percebemos que nem tudo é capaz de aquecer nosso coração que é quase sempre frágil. Então, neste momento, começamos a lembrar tudo que nos faz felizes e, consequentemente, o que já não nos faz mais tão felizes.
Já quase conseguindo ver mais um final de ano que surge bem debaixo do nosso nariz é quando começo a pensar no início, no decorrer e, incontrolavelmente, nos anos que já se foram. Não é uma simples questão de nostalgia, nem significa que estar preso ao passado. Apenas nos atenta de que tudo que já vivemos foi importante e nos serviu para nos tornarmos quem somos hoje! Hoje percebo que é como um velho clichê que diz que somos como diamantes que precisam ser lapidados. A sabedoria faz com que aprendamos sem precisar passar necessariamente pelo sofrimento mas, como estamos mais acostumados a usar a inteligência do que a sabedoria, acabamos por aprender com nossos erros e amadurecer pelo sofrimento. Isto nos faz ser como crianças que a mãe diz para não correr pois o piso está molhado e vamos escorregar mas corremos mesmo assim.
Mas com o passar do tempo, vamos valorizando mais as coisas mais singelas e percebendo que a vida é muito mais do que nosso quintal e percebendo ao mesmo tempo um dos maiores valores, se não o maior, está dentro de casa mesmo, afinal, o que é a vida se não uma viagem de volta para casa?

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

C'est Une Mystère


À l'élégante ville de Paris
C'est le printemps de la plus belle saison du monde
Je veux la rencontrer
Juste pour rire
À bonne heure
Je veux la rencontrer
À la bonne soirée
Tu sais l'art de vivre et charmes de la vie
Nous dansons une valse merveilleuse
Sur le ciel, la terre et la mer
C'est la dernière mystère de Paris
C'est une mystère de vous aimez.


Este foi meu primeiro poema em francês. Fiz a pedido do meu professor, Andrik Risso, em sala de aula como trabalho valendo nota. Acabei gostando, espero que gostem também.
Beijos, pessoas queridas.


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Lua Amiga

Esta noite, caminhando de volta para casa, o vento frio fez esvoaçar meu cabelo levando-me a inclinar levemente o rosto para trás, pequeno gesto que fez meus olhos encontrarem novamente a lua... Imensa, linda, perfeita! Somos amigas de longa data, ela conhece bem cada segredo meu, cada sorriso e cada lágrima. Conto a ela minhas bobagens, preocupações sem sentido, devaneios e afins. Ela apenas sorri. Eu sorrio de volta.
Esta noite eu simplesmente a fitei por alguns minutos enquanto caminhava, quase tropecei desastrada como sou. Ela olhava de volta como quem espera algo a ser dito. Um comentário, um elogio, uma tolice, um poema... Não. Nada. Então, ela apenas sorriu como sempre o fez. O silêncio foi compreendido e compartilhado.


sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Pequenas Felicidades

Esses dias, meu professor de Língua Portuguesa II, na faculdade, levou para nós um texto da escritora Martha Medeiros onde ela cita pequenos acontecimentos e detalhes do dia a dia que, aos olhos da autora, são considerados pequenas felicidades.

                                                                             [...]

Hoje, sexta-feira, não tive aula. Absolutamente nenhuma aula. Nem nos cursos que faço nem na faculdade, fato que soaria bastante atraente se não houvesse aquele peso na consciência chamado "bom senso" e que diz "aproveite para estudar".

Depois de dormir na cama da mamãe, levantei às dez horas da manhã (muito cedo, é claro, rs) com os carinhos e sorrisos dela e senti o leve sabor de um dia nublado e fresco. Um dia que pede uma confortável e quentinha calça de malha mas ao mesmo tempo permite que você use uma blusinha sem mangas. Como mamãe teve que sair para resolver "problemas", mais precisamente sobre um trabalho de escola do meu irmão, peguei uma maçã e sentei no sofá da sala. O que eu mais gosto nesta casa é a janela da sala, pois ela não é uma simples janela, ela ocupa totalmente o lado que seria uma das paredes da sala que dá para a frente da casa e separada pelas "portas de correr" de vidro, tem a varanda. Então a sala fica bem iluminada. Nos dias de sol fica meio quente mas nos dias nublados e frios... Fica ótimo!
Fiquei admirando o céu enquanto comia a maçã (o que parece uma cena fofa para quem não sabe como a casca da maça é ótima para ficar presa no aparelho ortodontico).

Peguei um livro que a faculdade nos obrigou a ler. É engraçado falar deste modo pois ler nunca foi uma obrigação para mim. Na verdade, a palavra que eles usam é icentivo. Querem icentivar todos os alunos, de todas as áreas a ler. Eles escolhem um livro não muito grande e aplicam uma prova sobre ele valendo nota. Deve funcionar para alguns, mas vejo a maioria lendo o livro correndo e de qualquer jeito faltando três dias para a prova. O primeiro que li foi engraçado: "A Revolução dos Bichos". Para quem entende de História o livro é maravilhoso, mas para a maioria dos meus colegas da área de exatas... Bem, foi divertido de ver. O livro deste período é o tal "Feliz Ano Velho" tem palavrões e uns termos cujos significados são desconhecidos por mim. O termo "dar uma bola" provavelmente não é o que eu pensava que fosse pois não se encaixaria no contexto e outros eu nem vou citar pois não decidi se realmente quero saber. Enfim, acomodei-me no sofá da sala e dei continuidade ao livro.

Em tudo isto que acabei de contar, lembrei-me do texto da Martha e percebi que tenho inúmeras pequenas felicidades. Duas delas citei em sala quando questionada pelo professor, eu disse: domir com a minha mãe e tomar um café fresquinho de manhã. E outras percebi depois, como sentar despreocupadamente na poltrona do papai; comer uma maçã tranquilamente cortando pedacinho por pedacinho; abraçar a mamãe por, pelo menos, 1 minuto ao acordar; percebi que gosto de folhear um livro e anotar trechos que me chamam atenção; uma colher do Häagen Dazs que está escodido no freezer; rir com mamãe (sim, adoro o tempo que passo com ela e minha família) enquanto a ajudo a preparar o almoço... Como já foi dito, pequenas felicidades. As mesmas que fazem da minha vida felicidade sem medidas!

Pôr do Sol: outra pequena felicidade...

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Chega!


Não falarei da vida: ela vive em mudanças e não podemos definir algo que sempre muda. É inútil.
Não falarei de mim: além de parecer egoísta, expõe o que deve permanecer guardado.
Não falarei das pessoas: não cabe a mim de forma alguma.
Não falarei do que é subjetivo: cada um vê a sua própria maneira.
Não falarei do que é concreto: é quase perda de tempo.
Não falarei sobre emoções: é fraqueza.
Não falarei sobre razão: ninguém tem.
Não falarei sobre o passado: não mudará nada.
Não falarei sobre o futuro: cabe a cada um se preparar para ele.
Não falarei sobre o presente: ...

(Emanuelle, 02/08/2012)

terça-feira, 31 de julho de 2012

Em uma folha em branco

Estão escondidas todas as palavras
Todas as palavras que lhe cabem
Estão guardadas todas as belas gravuras
As belas gravuras que lhe embalam o sonho

Nelas estão gravados grandiosos ensinamentos
Ensinamentos que conduzem à liberdade
Nelas repousam emoções avassaladoras
Emoções tais, capazes de durar toda uma vida

Estão, ainda, guardados os pensamentos
Pensamentos jamais pronunciados
Os sonhos que jamais ousaram se realizar
E os sentimentos que não lhe permitiram sentir.

(Emanuelle, 17/07/2012)


terça-feira, 5 de junho de 2012

Untitled

 

Quisera ter respostas para todas as perguntas 
E uma promessa para todas as incertezas 
Quisera poder esvaziar o coração com palavras e gestos 
Não apenas pelos olhos
Quisera que a despedida não existisse
E que o 'adeus' fosse simplesmente esperança de um amanhã
Quisera que as coisas fossem simples como parecem
E que, como criança, assim eu as visse
Quisera que soubesse mas algo impede
Não é a frieza de um orgulho e, tão pouco, indiferença
Mas o respeito que tenho por ti.

(Emanuelle Oliveira Marinho, em 04/06/2012)

quarta-feira, 7 de março de 2012

Mulherança


Em toda a história do mundo, não há um momento sequer em que a mulher não esteja presente em nossas vidas, ainda que em segundo plano ou submissa. A mulher sempre foi essêncial para a perpetuação da vida na terra junto ao homem, igualmente. Por que, então, não teve desde sempre igual valor? Uns dizem que mulher é sinônimo de fragilidade, mas certamente possui tal força que supera qualquer fraqueza. Alguns dizem que mulher é submissa, mas ela tem imensa capacidade de falar não só através de palavras mas através do olhar, dos gestos e de grandes feitos, por isso não necessita ter voz grossa para "gritar", ela é a voz que ecoa no silêncio. Outros dizem que mulher tem medo de tudo, porém ela tem uma coragem inimaginável de arriscar, de tentar, mesmo correndo risco de fracasso e quando fracassa ainda reúne coragem para tentar mais uma vez. E ainda, dizem que mulher sofre... Sim, milhões de mulheres sofrem todos os dias no mundo, é verdade... Mas ainda possuem força, ânimo, coragem e, principalmente, esperança. Esperança a cada novo amanhecer. Esperança de, através de pequenos gestos e atitudes, tornar o mundo mais amável. O objetivo nunca foi, não é, nem será exaltar a mulher e menosprezar o homem, mas fazer o mundo compreender e valorizar ambos da mesma maneira. Igualdade e respeito: esses são motivos pelos quais vale a pena lutar. Coragem! Avante, mulheres! O mundo também pertence à vocês!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2011


Nossa, o ano passou num simples piscar de olhos... Ou um palpitar do meu coração que bateu a cada milésimo de segundo na esperança de que cada momento durasse para sempre. É uma sensação inexplicável pensar que desejamos tanto que esse dia chegasse e agora que temos o futuro em nossas mãos, não queremos largar de maneira nenhuma o que passou. Desejamos loucamente viver o máximo e com muita intensidade... Mas por mais que tenhamos aproveitado tempo nenhum parece o suficiente... Por mais que se tenha aproveitado, sempre parece que não aproveitamos o bastante, por mais que se tenha sorrido, sempre parece que não rimos o bastante, por mais que se tenha chorado, parece que não choramos o bastante, por mais que se tenha lutado, sempre parece que não tivemos forças suficiente, por mais que se tenha amado, sempre fica a sensação de que não demonstramos o suficiente... O passado é sempre tão curto e o futuro sempre tão incerto que o presente se torna absurdamente frágil. Que vontade de gritar e repetir tudo que precisamos dizer loucamente... Sempre acreditei que tudo tem seu tempo e, ainda hoje, prefiro me apoiar nisso para me manter sã.
Espero que as pessoas que passaram por mim levem apenas o que fiz de bom e perdoem, de verdade, se fiz-lhes algum mal. Sempre levarei os sorrisos, os olhares, os pequenos gestos, cada momento... Hoje, sei que tudo isso faz parte de quem eu sou e do que vou ser daqui pra frente, cada lição (e bronca), tudo que aprendi de bom, faz com que eu seja um pouco melhor. Que continuemos buscando ser melhor a cada dia, isso sim é alcançar a perfeição. Não é tentando ser melhor do que os outros que seremos melhores, e sim buscando ser melhor do que nós mesmos fomos ontem. A vida pode nos levar por caminhos diferentes, mas enquanto cada um de nós nos lembrarmos do que passamos juntos, tudo que passou permanecerá vivo até a última pessoa que se lembre ainda respirar. O nome disso é eternidade. Hoje descobri que com tudo que já aprendi e superei na vida até então... uma das muitas coisas que ainda não aprendi... é que não sei dizer adeus. Não sei me despedir, e com todas as forças do meu coração e do meu subconsciente... eu não quero aprender, pois não quero ter de fazer isso. Sei que tenho muito que crescer mas sei que covivendo com pessoas incríveis isso não se torna tão doloroso.
Descobri esse ano, que o eterno existe e o "pra sempre" nem sempre acaba... Percebi quanto a vida é breve e frágil e que isso a torna incrivelmente bela... Percebi quanto pode ser difícil correr atrás do que se quer, do que se sonha, do que se ama... Mas que nem sempre é impossível ou tarde. Descobri que o ser-humano tem uma capacidade impossívelmente grande de amar. Aprendi que ser feliz não é viver sorrindo, mas saber sorrir e saber chorar.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ainda é...

Todos os dias, ao ligar a televisão, abrir o jornal ou a página da internet, ou escutar o rádio, ouve-se notícias sobre assaltos, furtos, homicídios, entre outros tipos de violência. Quase acaba com o dia de qualquer um. E de que vale tantos relatos de tragédias e agressões? Obviamente é importante que esse tipo de notícia chegue ao conhecimento de todos mas a vida é mais do que apenas tristeza, brigas, polêmicas, absurdos, futilidade, fome e maldade.
A todo momento acontencem belíssimas ações, em todo o mundo, das quais quase ninguém toma conhecimento. São ações que não são puplicadas nos jornais, não são faladas nos rádios e tão pouco comentadas e mostradas na televisão.
Essas ações variam desde grandes investimentos em prol de um bem maior como combate à fome, em prol da educação, da saúde, da segurança, de cuidados para a sociedade até os pequenos gestos... Como uma homenagem a alguém especial, um gesto de carinho, um final de semana com a família reunida, brincadeiras com irmãos e primos, uma longa conversa com os avós, um copo de vinho com seus pais, sentar sob uma grande árvore em um dia quente, jogar bola com os amigos no fim de semana, etc.
Essas ações também podem vir na forma de milagres, que nem precisam ser fisicamente grandiosos, mas singelamente grandes como, depois de uma catástrofe, encontrar pessoas com vida e a salvos; como uma pessoa à quem os médicos deram somente meses de vida, viver muitos anos mais; como um pai no leito, em seus últimos minutos, que consegue o perdão dos filhos; como, apesar do aperto, nunca faltar o necessário em um lar... Entre bilhões de outras coisas que, todos os dias, tornam a vida mais bonita, especial e única. Tantas vezes se perde um tempo precioso com bobagens enquanto o melhor e mais belo da vida passa discretamente sem que se dê conta e depois não há como voltar atrás.
Por que, ao invés de falar das maldades, não divulgamos as coisas boas que acontecem todos os dias? A vida não é horrível. É maravilhosa. Mas depende de cada um fazer a sua história e a sua parte. Sempre virão dificuldades, sofrimento, erros... Mas são o que tornam a vida ainda melhor. Ela é como um diamante que precisa ser lapidado para que, no fim, se torne clara, belíssima.  
Coragem, galera! Afinal, a vida ainda é a coisa mais bela que existe.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Escolhi o Silêncio

E meu coração bate dolorosamente
cada vez que sua imagem ousa
atormentar meus pensamentos.
Minutos antes de dormir não há mais
nada com o que eu possa me distrair
a não ser os devaneios que, no fim,
sempre me arrastam de volta para você.
Se soubesse o que sinto quando pouso
o pensamento sobre ti,
certamente não resistiria a tanto...
Mas o destino me pregou uma cilada
e você jamais poderá ouvir de mim
aquelas palavras que há tanto quiseram
me trair, as palavras que meus olhos
insistem em repetir incessantemente
para o seu olhar distante...




O justo?

É  muito complicado quando nos encontramos diante de uma situação na qual nos vemos 'envolvidos' em algum tipo de julgamento, não importa de que lado se encontre: como quem julga ou como quem está sendo julgado. No primeiro caso, é perigoso pois corre-se o grave risco de julgar alguém muito mal, até pelo fato de não conhecer o indivíduo a tal ponto. Já no segundo caso, raríssimas são as pessoas que conhecem o réu o suficiente para poder condenar, isso se existirem tais pessoas; e esse corre o perigoso risco de ser mal interpretado.
É muito fácil apontar os outros e falar o que se julga ser ou não real, mas porque parece tão difícil olhar para si mesmo e fazer um auto-julgamento sincero e consciente? Por exemplo, se isentar da idéia de julgar o próximo já é, em si, um ato de auto-julgamento, na grande maioria das vezes, falso uma vez que o simples caminhar na rua já se torna o suficiente para julgar a primeira pessoa sob a qual pousar o olhar, seja pelo modo como está vestida, o modo como está se portando, ou pela expressão do olhar... Não importa. Tudo isso faz parte de um pré-julgamento inconsciente, porém existente.

A verdade é que é preciso, urgentemente, abandonar esse antigo costume de julgar o próximo em qualquer caso. Afinal, quase nunca se tem intimidade o suficiente para saber o que se passa com cada pessoa, o que nos leva a um julgamento equivocado. Por isso a famosa expressão: "Somente Deus pode julgar!". Para um ambiente mais honesto e justo só depente de cada ser humano fazer sua parte.  

domingo, 14 de agosto de 2011

O Som do Silêncio

Era uma vez... O silêncio.
Em meio a reflexões e pensamentos, pude perceber uma verdade: hoje as pessoas tem imensa dificuldade de interiorização. Meu amigo de caminhada de fé, Daniel, me mandou um texto que falava dessa dificuldade que temos com o silêncio. É, realmente intrigante, ver quanto as pessoas se sentem incomodadas com esse "som" que nos dá tranquilidade, serenidade, paz... Mas que também nos obriga a pensar. Sim, pensar! A conclusão que cheguei, e nem é preciso pensar muito pra isso, foi que essa "obrigatoriedade" do pensamento quando estamos em silêncio é o grande incômodo de todos. O que lhe vem à mente quando tudo está quieto?... Essa é uma pergunta difícil... milhares de pensamentos, idéias racionais e outras absurdas, lembraças e mais lembraças, pensamentos relacionados ao presente e também ao futuro, ou seja junto à isso tudo surgem os medos, as incertezas... E então o silêncio se torna um incômodo. Muitas pessoas tem dificuldades de lidar consigo mesmas e preferem se distrair com outras coisas como TV, música, internet, etc.

O silêncio e a interioridade é importante para refletirmos, para pensarmos, repensarmos nossas atitudes, nossos objetivos, nossas prioridades, nossos erros, nossos acertos... Só assim podemos reorganizar nossas idéias e pensamentos e construír um caráter cada vez melhor. Só assim poderemos olhar para dentro de nós mesmos, saindo da cegueira em que o mundo nos aprisiona, sair do efeito da "flor de lótus", do barulho e das distrações que, na maioria das vezes, nos arrastam para longe do silêncio.

Despeço-me com a seguinte dica: ouça o som do silêncio!

Linda semana à todos!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

"Racionalmente Apaixonada"


Isso pode, aparentemente, não fazer sentido algum... Mas faz.


Quando se fala de paixão e amor, a idealização nos conduz a imaginar um turbilhão de emoções e sentimentos que nos atiram violentamente para longe de qualquer idéia racional. Mas, por mais absurdo ou estupidez que possa parecer, é total e estranhamente possível relacionar sentimentos à razão.

Não é preciso fazer loucuras de amor (e muito menos paixão) e tampouco fazer qualquer coisa sem pensar, qualquer coisa que seja irracional, ilegal, coisas com as quais você sabe que é preciso ter cuidado e pensar bem. É necessário maturidade, sabedoria, bom-senso, educação, consciência, e outras características importantes. A idéia é saber e entender que TUDO tem um momento certo para acontecer e que quando acontece no momento oportuno flui como o rio, rápida e delicamente.

Não tenha pressa, a vida já é tão corrida... Saiba esperar e discernir e hora certa para cada coisa, e quando esses momentos chegarem viva-os plenamente. É mais seguro, mais certo e dificilmente você vai se arrepender.

Ame! Apaixone-se! Mas racionalmente...

Pequena observação: Não ouça só seu coração, geralmente ele não diz nada racional. Ouça-o apenas no necessário.

Abraço à todos! Uma linda noite!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

A DANÇA


Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
te amo secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças a teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascender da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo diretamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

Se não assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Pablo Neruda

quinta-feira, 19 de maio de 2011

A "última" esperança



Talvez ainda consiga viajar o mundo inteiro
Talvez ainda consiga escrever aquele livro
Talvez tire do rascunho aquela canção
Talvez não seja tarde para voltar atrás
Talvez ainda cheguem dias de paz
Talvez apareçam novas soluções
Apenas talvez...

Talvez ainda exista pureza e inoscência
Talvez ainda tenha valor um sorriso e um brilho no olhar
Talvez os sonhos não estejam assim tão longe
Talvez as pequenas coisas da vida ainda sejam as mais importantes
Talvez o romantismo não tenha desaparecido
Talvez a música ainda toque corações
Apenas talvez...

Talvez as lágrimas ainda sejam de alegria
Talvez as crianças ainda queiram apenas fazer castelos de areia
Talvez as pessoas ainda queiram sonhar
Talvez ainda queiram lutar
Talvez ainda dêem valor à vida
Talvez ainda pensem no próximo
Apenas talvez...

Talvez a água nunca acabe
Talvez todos tenham alimentação e direitos à saúde
Talvez ainda haja amor incondicional
Talvez ainda amem só pelo prazer de amar
Talvez ainda cantem lindas canções no fim das tardes
Talvez os pais ainda cheguem em casa cansados e abracem seus filhos
Apenas talvez...

Talvez as pessoas não estejam aprisionadas à um padrão
Talvez não sejam escravas do trabalho e da rotina
Talvez ainda andem descalças na grama em um dia fresco
Talvez caminhem na beira da praia só para sentir a brisa do mar
Talvez ainda se abracem só para dizer: estou com você
Talvez ainda conversem pelo olhar
Apenas talvez...

Talvez ainda deitem sob a luz de uma lua solitária para admirar a brilho das estrelas na negra imensidão
Talvez ainda façam preces antes de dormir
Talvez acordem antes de amanhecer só para ver o sol nascer
Talvez ainda se aprenda grandes lições com nossos erros
Talvez ainda haja nobreza nos corações
Talvez descubram que a maior arma é o amor e a sabedoria
Apenas talvez...

Talvez a honestidade ainda seja um bem valioso
Talvez a caridade seja um costume
Talvez a verdade sempre impere
Talvez ainda haja tempo
Talvez não seja tarde
Talvez ainda haja esperança, ainda que essa esperança seja a esperança dos "tolos"
Apenas... Talvez.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Inovando?


Olá meus caros amigos! O que tenho para falar-lhes hoje é apenas isto: Se a junventude de hoje é a humanidade de amanhã, então eu temo em demasiado pelo nosso futuro! Ultimamente eu, incessantemente, venho me perguntando o que foi feito dos nossos jovens, das nossas crianças. "Nossa, que papo de gente velha!" Talvez seja, mas o que pode ser dito se é a mais grotesca e triste realidade? Mas não foi sempre assim. Os jovens sempre carregaram na fronte a marca da coragem, da revolução, pois o jovem, no auge de uma vida, em sua louca vontade de escrever sua história, em sua ânsia para deixar sua marca e conquistar seus horizontes, sempre lutou em prol de uma causa, de algo muito maior do que ele mesmo! O jovem não tem nada a perder. Ou, pelo menos, não tinha...

Mas o que aconteceu? Porque, hoje, não se vê situações como aquelas do tempo em que se lutava por causas nobres? Os jovens deixaram de lutar pelo que querem? Deixaram de lutar pelos seus objetivos e causas?

Pois eu lhes digo que NÃO! É claro que não deixaram! Os jovens de hoje continuam tendo voz e vez. Continuam lutando pelo que querem! Porém, houve uma mudança sim... Uma mudança que pode vir a destruir tudo que nós poderíamos ser... A causa! Eles não mudaram seu jeito, o tamanho da sua vontade, não mudaram sua audácia... Eles mudaram o motivo pelo qual lutar.

Se antes lutavam com, e pelos, valores morais, agora eles lutam contra, ou por outros tipos de valores. Ou pior, houve uma inversão dos valores. Hoje a festa e a baladinha, o último hit do momento valem mais do que a educação. Nem vou citar outros preciosos valores reais, pois me dói na alma. Seria contraditório e um equívoco da minha parte condenar as mudanças, não é esse meu objetivo. Pelo contrário, que venham as mudanças! Porém, que sejam mudanças para melhor, afinal se queremos progredir não devemos repetir a mesma história, e sim reparar os erros, renovar a história e inovar sempre! Sempre buscando dar o melhor de nós mesmos. Para uma vida melhor em sociedade, bastava que cada um fizesse sua parte, sem esperar nada em troca, bastava que nos livrássemos das amarras do egocentrismo. Ganharíamos muito mais.

Então, convido-os a pensar, refletir, sobre nossas causas, nossas preocupações, nossas prioridades e questionar se realmente valem a pena. Se essas causas realmente nos levarão a algum lugar ou se farão alguma diferença.

Humildemente, me despeço com a seguinte frase:
"Em certos momentos, os homens são donos dos seus próprios destinos." (William Shakespeare) Aquele abraço e uma ótima semana para ti! ;)

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Nada está perdido...


Existem bilhões e bilhões de pessoas no mundo inteiro. Desses bilhões, se não todos eles, a maior parte sonha, planeja e sonha ainda mais, mas somente pouco mais da metade corre atrás dos sonhos. Porque? - Para essa pergunta as respostas são variadas. Pode ser que o sonho esteja muito distante, pode ser que a pessoa julgue-o impossível, pode ser até que se envergonhe dele, pode ser que a pessoa nunca tenha recebido a força ou o apoio necessário para decidir que vale a pena tentar ou, até mesmo, pode ser que a pessoa se autodenomine adulta demais para sonhar... O que é, ao meu ver, uma grande perda para nós, os românticos, e a morte de um ser-humano! Sim, morte. Sem sonhos você é apenas uma casca vazia. Você não vive, você existe (e há uma grande diferença, se é que me compreende). É, no mínimo, triste.

Contudo (existe um porém), ao mesmo tempo, há muitíssimas pessoas riquíssimas em sonhos, transbordando energia, ânimo, vivacidade, com muitíssima força de vontade e, ouso dizer, até mesmo fé. São essas pessoas que movem nosso mundo! Que nos fazem querer saber, aprender sempre mais. São pessoas que tem e transmitem paixão pela vida e por todas as maravilhas que ela oferece desde o nascer até o morrer que, apesar de tudo, está no contexto chamado: vida.
Vida. Que apesar de ser um brevíssimo parêntese no tempo é de uma beleza intensa e não pode, não deve ser desperdiçada.
Meus caros, não permitam que a vida passe por vocês. Passem por ela!!! E deixem um rastro, uma marca que valha a pena ser lembrada... Isso, sim, é imortalidade.
Um mega abraço de 30 segundos à todos vocês, minhas mentes brilhantes!

Solidariedade


Olá minhas mentes brilhantes!
Hoje eu tenho uma postagem especial do meu caro amigo Daniel Tartare, que depois de certa relutância aceitou de bom grado produzir um pequeno texto sobre solidariedade! Gostei muito, acho válido e muito legal postar aqui (Dan, não me mate!):

Solidariedade. De onde vem essa força que, em momentos de crise, catástrofes ou desastres naturais, impulsiona tantas pessoas a ajudar?
Não importa de que forma venha este auxilio... Em dinheiro, roupas, alimentos ou simplesmente (e acho que é o mais importante) ajudando com seu próprio esforço e proporcionando certo conforto emocional mostrando que, apesar de todas as coisas ruins que acontecem, ninguém está sozinho e que sempre há uma mão para puxar do fundo do poço e mostrar que a vida continua e que não importa quantas vezes você vai cair e sim quantas vezes você vai levantar.
Ninguém espera que coisas ruins aconteçam e, quem sabe, isso pode ser até um sinal de que muitas coisas precisam mudar, seja em nossa relação com a natureza, seja no tratamento entre as pessoas. Afinal, não é só em momentos difíceis que as pessoas devem se ajudar e ser solidárias umas com as outras.

(Autor: Daniel Tartare)

Eu sei que agora ele vai se empolgar e fazer vários outros, não é Dan? rs
Aproveitem essas belas palavras!
Aquele super abraço à todos!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

A Lista - Oswaldo Montenegro

Oi gente, essa é para pensar antes de domir. Aproveitem!
Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás...
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais?
Faça uma lista dos sonhos que tinha
Quantos você desistiu de sonhar?
Quantos amores jurados pra sempre
Quantos você conseguiu preservar?
Onde você ainda se reconhece
Na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria?
Quantos amigos você jogou fora?
Quantos mistérios que você sondava
Quantos você conseguiu entender?
Quantos segredos que você guardava
Hoje são bobos ninguém quer saber?
Quantas mentiras você condenava?
Quantas você teve que cometer?
Quantos defeitos sanados com o tempo
Eram o melhor que havia em você?
Quantas canções que você não cantava
Hoje assobia pra sobreviver?
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você?
A Lista - Oswaldo Montenegro

sábado, 15 de janeiro de 2011

E agora?

Chove, o rio enche, a terra desaba, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Calor, aparece insetos, doenças, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Festa, pessoas bebem, pessoas dirigem, pessoas se machucam, pessoas morrem, pessoas sofrem.
Desemprego, falta dinheiro, pessoas passam fome, pessoas roubam, pessoas sofrem.

Desigualdade, preconceito geral, depressão, pessoas se drogam, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Desilusão, falta de sonhos e de esperança, não há ânimo, não há apoio, faz-se escolhas erradas, pessoas sofrem e morrem.

Dinheiro, futilidade, fama, mordomia, pessoas querem mais, pessoas esquecem o verdadeiro valor, pessoas se perdem, pessoas não se acham mais, pessoas sofrem e morrem.

Poder, pessoas querendo mais poder, corrupção, pessoas jogam sujo, pessoas machucam umas as outras, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Orgulho, falta diálogo, falta perdão, pessoas não se falam, pessoas matam a si mesmas por dentro, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Egoísmo, falta partilha, falta com quem partilhar, fecham-se em seu próprio mundo, pessoas sofrem, pessoas matam a si mesmas.

Medo, insegurança, falta confiança, falta credibilidade, falta ânimo, falta agir, falta viver, pessoas se trancam, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Ansiedade, falta paciência, falta esperança, falta estabilidade, falta paz, pessoas sofrem, pessoas morrem.

Tragédias, perdas incalculáveis, dor, angústia, insanidade, pessoas sofrem, pessoas morrem.

Risos, risadas carregadas de vergonha, risadas de pessoas que não querem ver, risos para não sofrer, pessoas fingem não ver, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Inércia, não estendem a mão, falta ajuda, falta solidariedade, há visão e não há força, pessoas morrem, pessoas sofrem.

Questiono: O que eu estou fazendo? O que eu posso fazer? O que eu deixei e deixo de fazer todos os dias? O que falta? Onde está meu coração? Onde está minha mente? Onde estão minhas preocupações? Quais são as minhas escolhas? Quais são as minhas prioridades? O que é mais importante?

"Se todas as pessoas fizerem sua parte podemos fazer do mundo um lugar mais feliz"

Se há tanto sofrimento... Onde estamos deixando de fazer a nossa parte?
Aonde estamos falhando?...
Sim, isso é um convite!

Super abraço à todos vocês.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Inversão de polos...

"Ai, eu te amo!" "Ah, não, eu que amo!" "Ah, eu te amo muito mais" " Nhé nhé nhé..."
AH!!! Chega né?! Quero dizer, não chega de amor, mas chega de falar nele. As pessoas estão doutoras nisso... Todo mundo fala de amor hoje, amor dos mais variados tipos, pessoas de todas as religiões e até pessoas sem religião alguma. Porém, hoje em dia elas falam do amor como falam de objetos, tratam o amor como tratam o planeta... sem cuidado algum. E quando se trata de viver o amor?! Vivem... Vivem sim... Como verdadeiras novelas!!! Tanto drama, tanto enjôo. Ai, não sei vocês, mas isso me cansa!


As pessoas rasgam, deterioram, deturpam o que era pra ser a coisa mais bela existente. Tudo isso a troco de quê? De "sofrer" e sofrer à toa. Parece que essas pessoas conseguem encontrar certo prazer no sofrimento. Idéia um tanto quanto masoquista, não?! Aí depois vem dizer: "Ah, mas o amor é um sentimento do coração, e blá blá blá..." AH... Dá um tempo! Falar de amor é parece muito fácil, não é? Mas na hora de vivê-lo é um drama ediondo. E por que, gente? Não precisamos disso...


O amor é simples. Em si mesmo ele se basta! O difícil deveria ser explicá-lo e não vivê-lo! Por que mudar isso agora?! Porque fazer essa "inversão de polos"?

Deixem que as coisas aconteçam naturalmente, com tranquilidade e simplicidade. Sem o drama, ansiedade, o stress que aprisionam nossas mentes e acabam com nosso emocional. Libertem-se.


Despeço-me com minhas sinceras desculpas pelo vocabulário e o desabafo, mas às vezes é preciso falar!

Grande abraço à todos. Ótimo final de semana!